Santos é eterno, é de pai para filho

Pai: Homem que gerou um ou mais filhos; iniciador, fundador; aquele que faz com que algo exista ou aconteça; causa; causador. Em resumo, aquele que te apresenta as coisas boas, e só quer seu bem. Filho: descendente, que origina de determinada família. O iniciador ensina seus descendentes desde cedo as coisas a serem seguidas, e assim, os costumes são passados adiante entre as gerações da família. Já dizia Chorão: “Santos é eterno. Santos é de pai para filho”.
 
Há quem diga: “Futebol é coisa de menino”. Não é bem assim! Futebol não é “coisa”, muito menos só de meninos. Futebol é paixão, sentimento, vida. E filhos são o que? Paixão, sentimento e vida. Qual pai não saiu correndo para comprar o primeiro presentinho quando soube que um bebê estava a caminho? E quantos compram algo de time, mesmo sem saber o sexo do bebê? Quando há a paixão por um clube de futebol, não importa o sexo, o costume da família será passado eternamente. 
Foto: Mayra Rodrigues/Arquivo pessoal

Foto: Mayra Rodrigues/Arquivo pessoal

Mayra Rodrigues para Cláudio Ignacio
 
Pai, A primeira vez que eu senti o que é ser Santos foi através do seu rosto emocionado diante da TV, em 2002, quando levamos o Brasileiro. Ali vi o Peixe campeão pela primeira vez, mas não ganhei só isso, conquistei o privilégio de ver tua felicidade. Dia 22 de junho de 2011, Pacaembu, nós. O que você esperou 40 anos pra ver, eu vi em 14. A nossa emoção não foi maior e nem menor, foi igual. Fomos tomados por uma felicidade inigualável, choramos feito crianças e nos abraços. O melhor abraço da minha vida!
 
O que eu quero dizer com esses dois momentos é que graças a você eu comecei a amar o Santos de uma forma única e incomparável. Foi por ti que o futebol se tornou o meu maior vício. Agora, ir à Vila Belmiro é obrigação, cantar o hino é emoção e ser Santos não tem comparação. Se eu agradeço? Todos os dias!
 
Espero que você viva ainda muitos anos para irmos à Vila, gritarmos muitos gols e comemorarmos muitos títulos. Te amo, meu herói!
 
Alexia Faria para Ismael e Fátima Faria
 
Pai, você se foi cedo demais. Não cheguei a ter uma foto uniformizada contigo, não tivemos nem momentos memoráveis juntos, muito menos histórias nos estádios, acompanhando o Santos. Mas, eu tenho algo que foi guardado. Um sapatinho com o brazão do Peixe. Aquele que, logo após sua partida, a mãe iria guardar e falar num futuro próximo: “seu pai te deixou de presente, ele queria que você fosse santista”. Então eu responderia com a maior sinceridade que uma criança pode ter: “mas eu sou santista!”.
 
Não precisei crescer com você ao meu lado para seguir o “caminho certo”, mas bastou um sinal pra que eu soubesse o que seguir. Obrigada por ter deixado algo que seria a minha paixão! Mãe, também te agradeço por me apoiar nessa “loucura pelo Santos”. Obrigada por tudo, guerreira! Sim, hoje também é o dia dessas guerreiras. Na verdade, são todos os dias. Estamos aqui para parabenizar todos os pais (mães, avós, avôs, tios, entre outros) pelo seu dia e agradecer por passarem o legado alvinegro à frente. Sem vocês, nós não seríamos nada! Obrigada por tudo. Feliz dia dos Pais!