Santos briga por títulos, revela atletas, mas cresce cada vez mais em dívidas

Desde 2002 até os dias atuais, o Santos Futebol Clube é observado por montar times competitivos, brigar e conquistar títulos. Além das grandes conquistas, na última década, a base santista alimentou por muitas vezes os clubes brasileiros e mundiais com suas joias. Apesar de um cenário aparentemente perfeito, o Peixe cresce em dívidas.

Dívida do Santos FC beira a casa dos R$ 410 milhões (Foto Gazeta Press)

Dívida do Santos FC beira a casa dos R$ 410 milhões (Foto Gazeta Press)

O torcedor tem muitos motivos para se orgulhar devido as performances que os times do Peixe apresentam desde a quebra do tabu. No entanto, nem tudo caminha bem nos bastidores da Vila. O excesso de competitividade da equipe profissional e o ótimo trabalho realizado no departamento de base não têm sido suficientes para vencer a falta de responsabilidade dos últimos gestores que estiveram à frente do clube.

Desde 2011, ano histórico devido a conquista do Tri da Libertadores, as receitas estão em decadência e as dívidas do Peixe aumentam em uma velocidade assustadora. No ano em que conquistou a América, o Santos FC devia aproximadamente R$ 208 milhões. Mesmo com títulos e a exploração da imagem de Neymar e companhia, por conta da péssima administração dos cartolas, as receitas do time da Vila não dispararam e o prejuízo cresceu.

No “auge” financeiro, o Santos gerou somente R$ 198 milhões em receitas, número baixo se comparado com os faturamentos que as diretorias do Palmeiras (R$ 322 milhões) e Flamengo (R$ 305 milhões) projetam receber até o fim dessa temporada.

Para cobrir os rombos financeiros, muitos clubes recorrem à venda de jogadores, uma espécie de salvação. Mesmo considerado o time que mais revela, o Santos FC não aparece nem entre as 10 equipes que mais ganham com transferências em 2015.

Se analisarmos entre 2003 e 2015, os números melhoram, mas estão longe do ideal. Nesse período, o Santos ganhou cerca de R$ 363 milhões com transferências de atletas e aparece na quinta posição entre os clubes que mais faturaram no país.

Mandatários do Peixe se preocuparam em despejar milhões apenas em técnicos, jogadores e no Centro de Treinamento. O baixo investimento em visibilidade e marketing para o clube resultou na perca de patrocínios, associados e transferências.

O último balancete apresentado pelo Peixe mostrou um aumento de R$ 128 milhões nas dívidas fiscais do clube. O Santos só não fechou com déficit em 2015 porque se adequou ao Profut e recebeu R$ 38,4 milhões em descontos, que fez com que o Alvinegro fechasse no azul. Caso contrário, o time terminaria o ano passado com um prejuízo de R$ -116 milhões.

No entanto, o alivio financeiro concedido através de descontos, parece ter dias contados, porque em 2016 as receitas alvinegras não demonstram aumento significativo, em contrapartida, as dívidas não param de crescer. Em 2011, por exemplo, o prejuízo era de R$ 208 milhões, hoje, beira a casa dos R$ 410 milhões.

Todas as informações acima estão presentes nos balancetes divulgado pelos clubes e foram reportadas pelo administrador, formado em gestão esportiva, Amir Somoggi, além do superintendente de crédito do Itaú BBA, César Grafietti.